Cratera Vazia ou Como as pessoas se perdem no meio da vida

Aquele asteroide que prometera nos dizimar finalmente estava a caminho. Te vi – bem distante, até – segurando uma mão que não era a minha e derramando uma lágrima que não era de açúcar. Meio fora de tom?

O certo é que não sabíamos direito o que fazer. Os desesperados já tinham perdido aquela adrenalina corriqueira e a reza tornara-se baixinha. Quase um sussurro, aliás. Meio sem fé, sabe?

Meu mundo estava em ruínas desde o dia que você me olhou com aquele sorriso de canto de boca e soltou um talvez. Portanto, o que aconteceria ou deixaria de acontecer por causa da distância que tomamos um do outro não importava mais. Era sem sal. Quase um sussurro, aliás. Era um pedido meio reza, sabe? Aquilo que eu pedia nas noites anteriores – que era para ter você aqui – não poderia mais acontecer por causa da maldita pedra que estava caindo do céu. Fuck you, NASA.

E já era tempo mesmo de acabar com tudo, você sabe. Perdeu a graça e a cor. Perdemos o sorriso e o fim da piada – a mesma que eu contava para você antes de dormirmos – e os deuses já tinham nos abandonado. Você já tinha me abandonado. Posso fazer essa analogia porque te considero uma deusa, lembre-se.

Enquanto você está parada olhando para o céu, sentindo a terra tremer e cantarolando uma oração, eu estou aqui te observando de longe e lamentando porque não poderei te reconquistar. Não poderei mais quebrar tua solidão. Não poderei sequer me desculpar pelo texto que escrevi narrando toda essa situação patética.

Ele se aproxima cada vez mais. Podemos sentir. Vê? É o fim. Só isso. Morreremos sem sermos heróis e sem nosso nome gravado na história. Ainda bem! Já que a partir de agora a história não existirá mais. Já que a partir de agora não existiremos mais.

. Ícaro Uther

Anúncios

Mais um momento.

Às vezes trancando no meu quarto, várias coisas passam na minha cabeça. Vários pensamentos, vários pesadelos, várias alucinações.

Às vezes na vida nós temos que ter um tempo para poder começar, aliás, recomeçar. Deixar as coisas banais de lado, deixar de ser escuridão. Deixar de viver trancados, amarrados, presos a pensamentos. Pode ter certeza, que seu pior inimigo é sua mente.

Queria tanto pode estar feliz, já fui feliz, não mais. Que diabos de papo dramático de novela das seis. Queria poder estar em contraste com o mundo, mas acho que na maioria das vezes vivo em um mundo paralelo. Só pode ser. Uma pessoa ser fudida desse jeito, só pode ser praga. Que diabos de papo dramático de novela das seis.

Viva intensamente. Viva. Sobreviva. Cuide bem dos seus amigos, dos seus familiares e principalmente, do seu amor. Esteja no seu pior dia, mas esteja com um sorriso estampado na cara.

O que importa é o momento. Prefiro ver você feliz que eu. Que diabos de papo dramático de novela das seis. E eu? Não mereço ser feliz? Não. Ainda prefiro te ver feliz que eu. Minha bondade não deseja pensar coisas fúteis.

Encolhidinho, num canto. Eu, você, nós, vós, eles. Todos passam por isso. Todos tem lá seus dias retrógrados. Desculpem, este foi apenas mais um momento de empolgação.

. Texto escrito por: Ícaro Uther

Certezas.

“Ah, tão bonito e eloqüente,

Tão determinado e envolvente,

Por que tive que gostar de ti?”

É assim que vou começar minha história de hoje amiguinhos. Sei lá, acho que comecei a perceber que os textos, podemos dizer: Maduros, que eu escrevo, são até legais sabe. Hoje quero vê se minha empolgação volta, por isso, vou lhes mostrar isso, as certezas de Mário Quintana.

.

Não quero alguém que morra de amor por mim…
Só preciso de alguém que viva por mim, que queira estar junto de mim, me abraçando.
Não exijo que esse alguém me ame como eu o amo, quero apenas que me ame, não me importando com que intensidade.
Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim…
Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível…
E que esse momento será inesquecível…
Só quero que meu sentimento seja valorizado.
Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre…
E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor.
Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém… E poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos, que faço falta quando não estou por perto.
Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras, alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho…
Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente importa, que é meu sentimento… E não brinque com ele.
E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca cresça, para que eu seja sempre eu mesmo.
Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe…
Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz.
Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia, e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos, talvez obterei êxito e serei plenamente feliz.
Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas…
Que a esperança nunca me pareça um NÃO que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como SIM.
Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim, sem ter de me preocupar com terceiros… Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento.
Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão…
Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades a às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim… E que valeu a pena.

Que valeu a pena…

. Post by: Ícaro Uther


Quem sou eu pra falar de Amor?

Quem sou eu pra falar de amor?

Tal sentimento que mata, que fere, que nos deixa imunes a todas as doenças dessa vida psicopata e louca e malévola.

Quem sou eu pra falar de amor?

Tal dádiva na nossa vida que chega sem nós querermos, que vai embora na hora errada, e que vai e volta, nos deixa parecendo bebês chorões.

Sim, sou eu que vou falar de amor!

Não sou a pessoa certa para expressar tal sentimento, mas mesmo assim, quem é você pra falar de amor?

Quem é você pra dizer quem eu amo. Se nem mesmo eu sei quem eu amo. Se nem mesmo eu sei que mundo louco é esse que está ao meu redor, tal mundo, que às vezes nós buscamos uma fuga. Famosa fuga da realidade, mas pra que fugir da realidade, se quando voltamos a ela, descobrimos que ela está a mesma bosta que deixamos na hora que partimos.

Quem és tu pra falar de amor?

Se na hora que mais precisamos de um amor, ele não está disponível.

Devia existir o Amor-Fênix. Por que não criam um amor assim? Pra que inventaram essa história que “o amor acaba”? Se acabar, é porque não era amor de verdade. Se tal amor acabasse, ele devia renascer mais forte. Que venha o Amor-Fênix.

Mas, quem sou eu pra falar de amor?

Acho que nesses quinze anos de vida, eu mal sei o que é o amor, eu mal sei quais são as dores do amor. Mas pelo pouco que sei, acho que é a pior dor que existe. É aquela dor interna, que nos fere aos poucos. É aquela dor invisível, que só sentimos quando estamos encolhidinhos na cama prontos para irmos dormir. É a dor dos pensamentos inoportunos, por que é tão difícil esquecer tal pessoa? Aliás, será que queremos esquecer tal pessoa?

Quem sou eu pra falar de amor?

Quem sou eu pra falar das dores que apertam o peito, aquela ânsia que sentimos. Aquela dor que chega a ser insuportável. Quem sou eu pra falar de noites em claro, noites perdidas porque aquela figura não saia da nossa cabeça. Chega a ser loucura, mas foi apenas um momento de empolgação meu.

. Texto escrito por: Ícaro Uther

O Roubo de Pitos ( Final )

Voltando ao fantástico roubo de pitos, vou contar pra vocês o nosso segundo dia de jornada. Dessa vez tivemos toda uma preparação física e mental para fazermos tal tarefa. Agente preparou uma série de artefatos caseiros para nos ajudar nos furtos.

Na mochila que o Hyago levava tinha: Alicate, Grampos, Cola Super-Bonder, Cordas, Fios de telefone, Tesoura, Fita adesiva, podemos dizer que tudo que você imagine tinha dentro desta bendita mochila.

E lá fomos nós, ao infinito e além. Dessa vez nós descemos mais ainda as ruas do bairro, e nos deparamos com uma moto estacionada, coitada dela, até hoje eu nunca me esqueço da cena, tiramos os pitos, e no “bilotinho” lá que eu não sei o nome, nós botamos um grampo em cada, que era pra ficar secando o Pneu. Não satisfeito apenas em secar o Pneu da moto, vocês sabem o tanque da moto, tem aquela tampa de proteção, que quando agente vai abrir ela vira pro lado. Pois é. O Sr. Hyago pega a cola Super-Bonder e cola toda aquela tampa… O que será que o cidadão dono daquela moto deve ter pensado quando tentou abrir o tanque e não conseguiu…

Após ter feito isso, nós resolvemos voltar de onde saímos, e cortamos uma rua e fomos bater bem no Posto de Gasolina em frente ao Supermercado Elizeu Martins. Lá por trás do posto tem uma borracharia, e foi pra lá mesmo que nós fomos.

Tinha uma bicicleta parada lá, e era ela mesmo que nós íamos atacar, mas nunca que eu imaginaria que ia ter alguém dentro daquela borracharia. Quando agente tirou o pito agente só ouviu essas singelas palavras:

– Eu ainda mato um ladrão fela da puta!

E foi esse doido correndo atrás da gente, e nós corremos numa velocidade que até hoje eu não sei de onde saiu tal velocidade. Quanto mais agente corria, o doido corria atrás da gente. Só sei que depois dessa pressão, nunca mais que agente saiu pra roubar pitos, aliás, saímos sim, mas minha mente não quer recordar de tal fato.

. Texto Escrito por: Ícaro Uther

Desmitificação.

Porque é preciso chorar. Ai do homem que não consegue chorar. Ai. Ai. Ai. Chorar. Falemos sério. Aquele aperto no peito já é coisa do passado. O barato são as lágrimas. Deixemos de conversa fiada. Papo besta de panela prestes a explodir. Para que tanta pressão? Opressão danada. Como se fôssemos vampiros. Catando lixo na escuridão. Maldição.

Porque é preciso chorar. Não estou falando de bebês chorões. Chorar. Feito machos. Os machos também choram. Também há lágrimas escorrendo e umedecendo barbas. Bigodes. Cavanhaques. E as mulheres – pasmem! – não nos consideram fracotes ou bobalhões. Sério! Aceitam-nos enquanto humanos.

Porque é preciso chorar. Precisamos piscar com um certo conforto. Lágrimas. Faz-se necessário alimentar a córnea. Lágrimas. Nada de microorganismos invasores. Lágrimas. E por aí vai. Seremos nós – homens – tão idiotas assim? Chorem! Por deus, chorem! Digam que é em prol da visão. Que seja. Mas chorem.

Porque é preciso chorar. Deixemos de ser raposa. Se não alcançamos as uvas é por uma incapacidade qualquer. Se não sou capaz de enfrentar não sou capaz de enfrentar e pronto. Se me envergonho de nem sempre corresponder às expectativas me envergonho de nem sempre corresponder às expectativas e pronto. Mas afirmar que homem não chora ou não deve chorar é uma grande bobagem. É não aderir à revolução.

. Texto escrito por: Ajosé ( Foto abaixo )

Mais textos do Prof. Ajosé: Clique aqui.

. Post By: Ícaro Uther

O Roubo de Pitos ( Parte 1 )

Há uns dois, três anos atrás, não me recordo bem, saíamos todas as noites durante quase uma semana, eu (Ícaro), Hyago & Rafael Porcão, para fazer o que, roubar pitos de carro. Exato, pitos de carro!

Era uma aventura imensa, pra nós na época, era a coisa mais psicodélica e alucinante que agente fazia. Quando descíamos uns quatro, cinco quarteirões das nossas casas era uma aventura exorbitante. Tal aventura que parecia às vezes durar não horas, mas sim dias e dias.

Nessa primeira parte vou lhes contar o nosso primeiro dia de aventura.

Era por volta das 19h, e não tínhamos nada pra fazer, até hoje não sei de onde veio essa mirabolante idéia de sair para roubar pitos. Fomos, saímos pelas ruas até então desconhecidas, e a tática era a seguinte: Um vigiava, enquanto os outros dois tiravam os pitos. Mas não era nem pito de ferro, como chamava na época, que nós íamos atrás não, era qualquer tipo de pito mesmo, até os de plástico valiam.

Nós estávamos perto de uma escolinha que tinha aqui por perto, umas três quadras daqui se não me engano. E pra gente qualquer carro parado na rua já valia. Nós avistamos tal carro, só não percebemos que do outro lado da rua, tinha várias pessoas num terraço, resolvemos arriscar. Pra que meu deus?

Eu dessa vez tava de vigia, assim que eu passo pela rua pra vê se tinha algo de errado, não vi as pessoas. Até aí tudo bem, eu fico parado na esquina enquanto o Hyago e o Porcão iam atacar o carro. Assim que o Porcão tirou o primeiro pito, nós só ouvimos esse singelo ruído:

– No meu carro tu não meches não, seu viado!

Foi uma correria doida, eu e o Hyago corremos pro lado de casa, mas o Rafael correu pro outro lado, puta merda, cadê o Porcão?

E agente chegou em frente a casa do Hyago, e nós estávamos tremendo mais que vara verde. E era uma preocupação doida atrás do Porcão, cadê esse cara que não chegava.

E sério quase que agente chora de preocupação. Mais ou menos trinta minutos depois, lá se vem o Rafael Porcão, todo suado e sujo de lama.

– Porra Rafael, onde tu se meteu cara?

– Cara, vocês não acreditam, o cara entrou correndo dentro da casa, pegou a chave do carro, e saiu correndo atrás de mim. Eu saí correndo, “tubado”, e o cara atrás de mim, eu tive que pular dentro dum beco pra me esconder, fiquei deitado lá, e o cara passou um monte de vez bem devagarzinho, só que não me viu.

Passado o susto, todos nós voltamos pra nossa casa, já arquitetando maquiavelicamente o que iríamos fazer no dia seguinte. No próximo capitulo dessa história, vou lhes contar o nosso avanço tecnológico para roubar os pitos e todas as nossas máquinas usadas para o trabalho. Aguardem.

. Texto escrito por: Ícaro Uther