Sobre Gatilhos e Espelhos

sad_city_by_photo_maria-d70xv85

Em algum ponto dentro dos próximos segundos ele estará sem vida. Encara o espelho, checa novamente o cano enferrujado e as paredes úmidas. Ali não existe luz no fim do túnel, harpas pitorescas ou algo extraordinário que faça com que mude de ideia.

A linha final já foi escrita e não há nada possível de ser feito para que os olhos fiquem. Mão pesada. Para que tudo acabe sem frio na espinha ou com louças manchadas. A respiração ofegante acalenta a escuridão iminente e a mão – pesada? – percorre o caminho oposto, mirando a casa, sem espelho e sem louças e sem cantigas baratas, que agora ecoam: beira de estrada.

A vista não avista fim de trilha; a mão não tem mais solidão e as pessoas carregam em si um sorriso demente. O suor escorre na ponta do cabelo e os calafrios não querem descansar. A boca seca derrete a estrada pro mar.

Não existe cedo, espaço, razão ou qualquer outro sentimento que fizesse com que os sentimentos aflorassem novamente. Não existe mais tempo, existe? No meio do meio termo o tempo ruiu!

Orácio partira antes dos seus pensamentos. Aquietou-se e acordou segundos depois para morrer novamente.

. Ícaro Uther

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s