Da Cantiga

tumblr_lip55iiiOs1qf6jy9o1_500

permita-se sorrir nos verbos
beijar os lábios
cantar eternos
enamorar-se
tornar-se verso
sentir a brisa
abraçar tetos
findar marasmos
ou comer quieto
amar profundo
mergulhar reto
gritar ao mundo
sem desespero
andar sozinho
sentir o cheiro
e quando acalmar
a ciranda cansa
tombarei contigo
minha esperança

. Ícaro Uther

Ellipsism

6934727758_7bfee92e69_b

Desde que kairosclerosis surgiu na tela eu fiquei jouska que só e percebi o quão difícil deve ser criar uma nova palavra. Aquela sensação que sobe o âmago e embebeda a língua já tem nome? Deve ter, né!?

Eu que deveria tatuar na carne lethobenthos e inventar uma palavra para descrever o quão maravilhoso era a cena de te ver sorrir com o canto da boca, enquanto pressionava levemente os olhos e abaixava a cabeça em direção ao meu peito.

Liberosis, enfim. Ânsias e noites sem fim. Kairosclerosis é até simples, eu sei: é o momento em que você percebe que está feliz – e tenta conscientemente aproveitar essa sensação – o que obriga seu intelecto a identificar e colocar a sensação em um contexto, onde a felicidade lentamente se dissolve até se tornar pouco mais do que um retrogosto. Mas retrogosto não desce. Que palavrão.

. Ícaro Uther

Circo em Branco e Preto

two-sad-clowns-1590

o palhaço está triste, ele disse
ele disse que o palhaço, mesmo triste,
põe a máscara e rouba a cena, ele disse

eu disse que o palhaço triste
com o nariz em riste, pintando vermelho
diante do espelho, deixa dispersar

se disse, vendo deste lado, triste
do palhaço triste ser palhaço
e ter que atuar

eu disse que o sorriso falha
e o palhaço tarda, pois,
atrás da cortina existe outro espetáculo

. Ícaro Uther

Cratera Vazia ou Como as pessoas se perdem no meio da vida

Aquele asteroide que prometera nos dizimar finalmente estava a caminho. Te vi – bem distante, até – segurando uma mão que não era a minha e derramando uma lágrima que não era de açúcar. Meio fora de tom?

O certo é que não sabíamos direito o que fazer. Os desesperados já tinham perdido aquela adrenalina corriqueira e a reza tornara-se baixinha. Quase um sussurro, aliás. Meio sem fé, sabe?

Meu mundo estava em ruínas desde o dia que você me olhou com aquele sorriso de canto de boca e soltou um talvez. Portanto, o que aconteceria ou deixaria de acontecer por causa da distância que tomamos um do outro não importava mais. Era sem sal. Quase um sussurro, aliás. Era um pedido meio reza, sabe? Aquilo que eu pedia nas noites anteriores – que era para ter você aqui – não poderia mais acontecer por causa da maldita pedra que estava caindo do céu. Fuck you, NASA.

E já era tempo mesmo de acabar com tudo, você sabe. Perdeu a graça e a cor. Perdemos o sorriso e o fim da piada – a mesma que eu contava para você antes de dormirmos – e os deuses já tinham nos abandonado. Você já tinha me abandonado. Posso fazer essa analogia porque te considero uma deusa, lembre-se.

Enquanto você está parada olhando para o céu, sentindo a terra tremer e cantarolando uma oração, eu estou aqui te observando de longe e lamentando porque não poderei te reconquistar. Não poderei mais quebrar tua solidão. Não poderei sequer me desculpar pelo texto que escrevi narrando toda essa situação patética.

Ele se aproxima cada vez mais. Podemos sentir. Vê? É o fim. Só isso. Morreremos sem sermos heróis e sem nosso nome gravado na história. Ainda bem! Já que a partir de agora a história não existirá mais. Já que a partir de agora não existiremos mais.

. Ícaro Uther